Curitiba, Terça-Feira 21ºC Predomínio de Sol

Cultura Cultura

Um pirata em Curitiba? Conheça a história do Pirata que viveu em Curitiba

17 de Dezembro de 2020
Compartilhar:
Um pirata em Curitiba? Conheça a história do Pirata que viveu em Curitiba

Pouca gente sabe, mas Curitiba é palco de uma das maiores lendas sobre piratas do mundo. Segundo a lenda, viveu em Curitiba, nas regiões da Vista Alegre e do Pilarzinho, um pirata inglês chamado de Zulmiro. A lenda ainda conta que o pirata deixou um baú com seus tesouros na região do bairro Vista Alegre.


Mas o que dessa história sabemos que é real?


Bem, nós já sabemos que é verdade que um corsário inglês viveu em Curitiba!

A descoberta foi feita pelo arqueólogo amador Marcos Juliano Ofenbock que há anos estuda sobre a lenda que circula nas rodas curitibanas.

Marcos encontrou a certidão de óbito e o registro de propriedade na região do Pilarzinho no nome de João Francisco Inglez. Este nome foi como o inglês “abrasilerou” seu nome inglês: Francis Hodder. O sobrenome Inglez foi uma referência a sua pátria. Tais descobertas foram feitas analisando documentos ingleses.


Segundo o que se sabe, o pirata conheceu o conterrâneo Edward Young, para quem ele contou a sua história de vida pirata. Edward concordou que só revelaria a história depois da morte do nosso pirata Zulmiro. A promessa foi cumprida, pois Marcos encontrou publicações de 1896 no “Jornal do Brasil”, com autoria de Edward, contando a história do corsário Francis Hodder.


A história conta que Francis Hodder nasceu em Cork, na Irlanda, e fez parte da Marinha Britânica (segundo documento de 1811). Depois de tempos, Francis se tornou um corsário após matar um companheiro de marinha aos 30 anos de idade. Em 1831, Francis foi capturado pelo capitão da Marinha Britânica Keppel, que por sorte, eram amigos de longa data.

Keppel para ajudar seu amigo simulou a fuga de Francis no litoral sul brasileiro, com o pedido de que Francis fosse se esconder no interior do continente. Foi assim que ele chegou em Curitiba, onde viveu até sua morte em 1889.


Não só a história, João Inglez deixou com seu amigo Edward o roteiro para encontrar o tesouro, não no bairro Vista Alegre como conta a lenda, mas na Ilha da Trindade, no Espírito Santo. Caso seja confirmado que há um tesouro lá, seria o primeiro caso real de um mapa do tesouro.


No ano de 2019, a Prefeitura de Curitiba reconheceu os documentos levantados por Marcos, e considerou que a lenda curitibana é verdadeira (pelos menos a parte que um pirata viveu aqui).

Provavelmente Zulmiro, ou Francis, ou João Inglez, foi o último pirata da história a morrer.



Marcos Ofenbock publicou o livro “A Verdadeira Ilha do Tesouro” onde conta toda a descoberta feita. :)





  • Compartilhar: